OS PRINCÍPIOS DE MORDOMIA

Estamos nós, como indivíduos, a examinar a Palavra de Deus cuidadosamente e com oração, para não nos afastarmos de seus preceitos e exigências? O Senhor não nos contemplará com prazer se retivermos qualquer coisa, seja pequena ou grande, que Lhe deva ser devolvida. Se desejarmos gastar dinheiro para satisfazer as nossas próprias inclinações, pensemos no bem que, com esse dinheiro, poderíamos fazer. Separemos, para o Mestre, quantias pequenas e grandes, a fim de que a obra possa ser edificada noutros lugares. Caso gastemos de forma egoísta o dinheiro tão necessário, o Senhor não nos abençoará com o Seu louvor, nem o poderá fazer.

Como despenseiros da graça de Deus, estamos lidando com o dinheiro do Senhor. Muito, muitíssimo significa para nós sermos fortalecidos, dia a dia, pela Sua abundante graça, sermos capazes de compreender a Sua vontade, sermos achados fiéis tanto no pouco como no muito. Quando tal for a nossa experiência, o serviço de Cristo será para nós uma realidade. Deus requer isso de nós, e diante dos anjos e dos homens devemos revelar a nossa gratidão pelo que Ele tem feito por nós. A benevolência de Deus para connosco, devemos nós retribuir em louvor e atos de misericórdia. ...

Reconhecem todos os membros da igreja que tudo o que têm lhes é dado para ser usado e aperfeiçoado para a glória de Deus? Deus tem uma conta fiel com todo ser humano do nosso mundo. E, quando o dia de ajuste de contas chegar, não reclamará o mordomo fiel crédito algum para si. Não dirá: "Meu talento"; mas "Teu talento ganhou" outros talentos. Sabe que sem que lhe fosse confiado o dom, nenhum aumento poderia ter havido. Pensa que no desempenho fiel da sua mordomia nada mais fez que seu dever. O capital era do Senhor,e pelo Seu poder foi habilitado a com ele negociar com êxito. O seu nome apenas deve ser glorificado. Sabe que sem o capital que lhe foi confiado entraria em bancarrota para a eternidade.- Princípios de Mordomia; pág. 111